segunda-feira, fevereiro 27, 2006

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Perigos de se levar a própria mulher para o motel

Mirtes não se aguentou e contou para a Lurdes:
- Viram o teu marido entrando num motel.

A Lurdes abriu a boca e arregalou os olhos. Ficou assim, uma estátua de espanto, durante um minuto, um minuto e meio. Depois pediu detalhes.

- Quando? Onde? Com quem?

- Ontem. No Discretíssimu's.

- Com quem? Com quem?

- Isso eu não sei.

- Mas como? Era alta? Magra? Loira? Puxava de uma perna?

- Não sei, Lu.

- O Carlos Alberto me paga. Ah, me paga.

Quando o Carlos Alberto chegou em casa a Lurdes anunciou que iria deixá-lo. E contou por quê.

- Mas que historia é essa, Lurdes? Você sabe quem era a mulher que estava comigo no motel. Era você!

- Pois é. Maldita hora em que eu aceitei ir. Discretíssimu's! Toda a cidade ficou sabendo. Ainda bem que não me identificaram.

- Pois então?

- Pois então que eu tenho que deixar você. Não vê? É o que todas as minhas amigas esperam que eu faça. Não sou mulher de ser enganada pelo marido e não reagir.

- Mas você não foi enganada. Quem estava comigo era você!

- Mas elas não sabem disso!

- Eu não acredito, Lurdes! Você vai desmanchar nosso casamento por isso? Por uma convenção?

- Vou!

Mais tarde, quando a Lurdes estava saindo de casa, com as malas, o Carlos Alberto a interceptou. Estava sombrio.
- Acabo de receber um telefonema - disse. - Era o Dico.

- O que ele queria?

- Fez mil rodeios, mas acabou me contando. Disse que, como meu amigo, tinha que contar.

- O quê?

- Você foi vista saindo do motel Discretíssimu's ontem, com um homem.

- O homem era você!

- Eu sei, mas eu não fui identificado.

- Você não disse que era você?

- O que? Para que os meus amigos pensem que eu vou a motel com a minha própria mulher?

- E então?

- Desculpe, Lurdes, mas...

- O quê?

- Vou ter que te dar um tiro...


Luís Fernando Veríssimo

Desentendimento...

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

Não é novidade...

Vai haver uma revista feita a partir do lixo. Esta iniciativa foi já aplaudida pelos ambientalistas em toda a Europa. Eu acho que esta ideia não é nova. Porque é que eu digo isto? Porque há a TV 7 dias, Vip, Lux, Caras, Nova Gente…
by João Miguel Henrique

Grande poder de observação

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Ferrari

Eu pedi à minha mãe que me oferecesse um ferrari. Como ela não sabia o que era um ferrari (como é que isso é possível?) eu expliquei-lhe: "é um carro vermelho com um cavalo".
Vejam a foto do fantástico ferrari que a minha mãe me ofereceu.

As aparências enganam

Agora está de moda usar um auricular para falar ao telemóvel. A única vantagem que eu vejo nisso é não pagar multa... porque de resto, as pessoas pensam que somos maluquinhos ou pior ainda... podem acontecer situações desagradáveis.

Contando homenzinhos...

sábado, fevereiro 18, 2006

Pequenos sinais

"O que é um livro? Uma sucessão de pequenos sinais. Apenas isso. Compete ao leitor extrair por si próprio as formas, as cores e os sentimentos a que esses sinais correspondem."
Anatole France

Professor Chiça

A propósito do post anterior...


quinta-feira, fevereiro 16, 2006

O professor resolve...

Se tiverem com algum vírus no computador só têm telefonar para ele que ele resolve...

Sexo, drogas e Rock'N'Roll

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Te regalo

Hoy amanecí con ganas de enviarte
algo que te guste y pueda regalarte
Te hice esta canción que es para recordarme
Esto es una excusa para declararme
Hoy quiero decirte y voy a adelantarme
Que mi corazón yo quiero regalarte

Carlos Baute


PS: A letra desta música está completa nos comentários.

domingo, fevereiro 12, 2006

Onde é que eu errei?

Antigamente quando uma pessoa dizia em voz alta e com irritação "onde é que eu errei??" estava a reagir ao facto de ter descoberto que o filho é drogado, gay ou criminoso. Actualmente dizer "onde é que eu errei??" quer apenas dizer que essa pessoa se enganou a meio de um jogo de Sudoku.
by João Miguel Henrique

Não é esse...

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Mãe que é Mãe...

Toca o telefone:
- Estou? Mãe? Posso deixar os meninos contigo esta noite?
- Vais sair?
- Vou.
- Com quem?
- Com um amigo...
- Não entendo por quê é que te separaste do teu marido, um homem tão bom...
- Mãe! Eu não me separei dele! ELE é que se separou de mim!
- Pois... ficas sem marido e agora sais com qualquer um...
- Eu não saio com qualquer um. Mas, posso ou não deixar aí os meninos?
- Eu, como tua mãe, nunca te deixei para sair com homem que não fosse o teu pai!
- Eu sei, mãe. Porém, há muita coisa que a mãe fez e que eu não faço!
- O que é que queres dizer com isso?
- Nada, mãe! Só quero saber se posso deixar aí os meninos.
- Vais passar a noite com o outro? E quando o teu marido souber?
- Meu EX-marido!!! Mas, não acho que ele se importe muito com isso: desde a separação, não acredito que haja dormido uma única noite sozinho!
- Então sempre vais dormir com o vagabundo!
- Não é um vagabundo!!!
- Um homem que sai com uma divorciada com filhos, só pode ser um vagabundo e um oportunista!
- Não vou discutir, mãe. Posso deixar aí os meninos ou não?
- Coitaditos dos miúdos... com uma mãe assim...
- Assim como?
- Irresponsável! Inconsequente! Por isso é que o teu marido te deixou!
- Chega, mãe!!!
- Ainda por cima gritas comigo! Aposto que com o vagabundo com quem vais sair, tu não gritas.
- Agora está preocupada com o vagabundo?!
- Eu não disse que ele era um vagabundo?! Eu percebi logo!
- Tchau, mãe!!!
- Espera, não desligues! A que horas é que trazes os meninos?
- Não vou. Não vou levar os meninos. Também, já não me apetece sair!!!
- Não vais sair?! Vais ficar em casa?! E estás à espera de quê?! Que o "príncipe encantado" te vá bater à porta? Uma mulher na tua idade, com dois filhos, pensas que é fácil encontrar marido? Se deixares passar mais dois anos, vais ficar sozinha a vida toda! Depois não digas que não te avisei! Acho um absurdo, na tua idade, ainda precisares que EU te empurre para sair!

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

Exercício

terça-feira, fevereiro 07, 2006

Só de passagem...

Conta-se que no século passado, um turista americano foi à cidade do Cairo, no Egipto, com o objectivo de visitar um famoso sábio.
O turista ficou surpreso ao ver que o sábio morava num quartinho muito simples e cheio de livros. As únicas peças de mobília eram uma cama, uma mesa e um banco.
- Onde estão os seus móveis? - perguntou o turista.
E o sábio, imediatamente, perguntou também:
- E onde estão os seus?
- Os meus?! - surpreendeu-se o turista - Mas eu estou aqui só de passagem!
- Eu também... - concluiu o sábio.


A vida na terra é somente uma passagem... No entanto, alguns vivem como se fossem ficar aqui eternamente, e esquecem-se de serem felizes.

Assim vai ser difícil...

Estatística

"Depois de fazerem amor, 10% dos homens voltam-se para o lado direito, 10% para o lado esquerdo e os outros 80% voltam para casa!"

Fonte: INE - Estudo em Dezembro de 2004

sábado, fevereiro 04, 2006

Azar no amor... e ao jogo também

Esta semana tenho andado com um desgraçado azar amoroso, mas mesmo assim fiquei algo satisfeito porque sempre ouvi a minha avó dizer: "azar ao jogo, sorte no amor" (ou vice-versa). Fiz o Euro-Milhões convicto que iria ganhar... e nada! Não acertei num único número...
Nunca mais vou ligar aos ditados que a minha avó diz.

sexta-feira, fevereiro 03, 2006

Estilo

Ao fim de tantos anos, finalmente percebo a razão da minha avó ter estilo gótico. Chama-se "luto".
by Iluminado

Boa táctica

Tão simpático que ele é...

- Olha, Vicente… Sinto-me muito gorda...

- Não… Não digas isso, não és nada gorda.

- Ena, obrigado Vicente.

- Muita dieta tinhas tu que fazer para eu te poder chamar gorda...

Elogio...

A mulher olha-se no espelho e diz ao marido:
- Estou tão feia, gorda e acabada! Preciso de um elogio...

E o marido responde:
- A tua visão está óptima!!!

Propaganda enganosa

Culpado ou inocente?

Um homem foi trazido perante o juiz e acusado de necrofilia, por ter feito sexo com um cadáver feminino.
Disse-lhe o juiz:
- Em 20 anos de magistratura, nunca ouvi uma coisa tão nojenta e imoral. Dê-me uma única razão para eu não pô-lo na cadeia e deitar fora a chave!

O homem respondeu:
- Vou-lhe dar não uma, mas TRÊS boas razões:
1º) Não é da sua conta;
2º) Ela era minha esposa; e...
3º) Eu NÃO SABIA que ela estava morta... ela SEMPRE agia assim!